Oficina 5

Toque da Borboleta

com Ana Paula Gomes da Silva

Nada mais é do que um carinho entre pais e filhos um jeito agradável de você e seu filho se conhecerem.

O oriente descobriu há milênios que o toque é essencial para o desenvolvimento integral do ser humano. Pouco a pouco, nossa civilização vai descobrindo que o carinho do tocar  faz bem ao corpo e à alma e que quanto mais cedo têm início, melhor. Foi pensado na importância da estimulação tátil desde os primeiros dias de vida, que a americana Eva Reich criou uma massagem para bebês, o Toque da Borboleta.

No Brasil, primeira divulgadora da técnica é a pedagoga Maria Aparecida Alves Giannotti, autora do livro Massagem para bebê – Toque da borboleta. Desde 1981, ela adotou a massagem que tem a vantagem sobre a shantalla de não exigir o uso de óleos e de poder ser feita desde os primeiros dias por ser muito suave.

Ana Paula Gomes da Silva tem mais de 10 anos de experiência na area educacional, Formação em Massoterapia pelo Seduc Intec e Pedagogia pela Unicesumar.

Benefícios:

  • Padrão do sono mais estável;
  • Resistência a doenças (imunidade);
  • A criança desnutrida também sai ganhando – “Muitas vezes, a desnutrição é também de afeto e carinho. A partir do estabelecimento de vínculos afetivos, ela começa a comer. Conseqüentemente, desenvolve-se fisicamente e aceita melhor o carinho”– diz Maria Aparecida.s
Como é a massagem

No toque da borboleta, os movimentos, sempre suaves, começam na cabeça e vão descendo até os pés. São simétricos e feitos primeiro na frente e depois atrás. No final, o bebê é embalado durante um minuto. “O balanço é superimportante. Segundo o cientista americano Ashley Montegu, ele melhora a digestão. Nos berçários dos hospitais americanos há uma cadeira de balanço para a enfermeira, principalmente em berçários de alto risco”, afirma a pedagoga.

Antes de começar, lave as mãos, enxugue-as e esfregue-as, isso concentra a energia. Cada movimento é feito com extrema delicadeza. Só há dois lugares em que se exerce uma certa pressão: na palma das mão e na sola dos pés, sempre em direção aos dedos. Segundo a medicina tradicional chinesa, na sola dos pés estão projetados todos os órgãos. Ao ser massageada, automaticamente os órgãos internos também o são. Para os menos crentes nas técnicas orientais, vale lembrar que mãos e pés contêm muitas terminações nervosas. Mais importante do que a técnica é o modo como é feita. Nada de passar a mão e pronto. Tem de ser uma relação afetuosa, com o adulto olhando atentamente o bebê. Caso tenha sido um parto difícil, às vezes, o bebê não gosta que se toque a sua cabeça. Aí, você pode começar a massagem pelas costas.

Olho no olho

No toque da borboleta, o olhar é tão fundamental quanto a carícia. “Já vi belas fotos de recém-nascidos olhando atentamente para o olhar da mãe. Há um estudo comparando bebês prematuros em que a mãe ficava um longo período olhando para a criança e bebês que não recebiam esse tipo de atenção. Os primeiros desnvolveram um QI bem maior do que os demais”.

O lugar ideal

Escolha um ambiente calmo. Dê preferência ao local mais aquecido da casa ou, então, à hora mais quente do dia. Lembre-se que seu filho fica nuzinho durante toda a massagem. Coloque-o sobre um colchonete coberto com um lençol ou uma toalha, pois é comum ele fazer xixi devido ao relaxamento produzido pelo toque.

O melhor horário

Evite fazer a massagem logo depois de alimetar a criança, pois toda a sua energia está focalizada na digestão, ou quando ela estiver com muita fome. Antes ou depois do banho é um bom horário. Aproveite também o tempo em que a criança estiver na banheira para fazer alguns movimentos adicionais. O ideal é tocar a criança três vezes por dia.

Quando o bebê está maiorzinho, dificilmente a mãe conseguirá fazer a massagem mais do que uma vez, pois ele se mexe muito. Se a mamãe quiser aproveitar o momento para ficar conversando com o pequeno, a duração da massagem pode atingir até meia hora. Tudo depende da disponibilidade de ambos.

A massagem pode ser feita desde o nascimento, mesmo em prematuros. É importante, no entanto, respeitar os limites da criança. Se ela demonstrar que não quer ser massageada, não force. Apenas toque o campo energético do bebê (ao redor do corpo), dinamizando-o com movimentos circulares. Isso acalma a criança e possibilita que a massagem seja feita logo em seguida.

Demonstração

Nesse momento, é realizada uma demonstração prática da massagem em meu próprio filho; a duração da massagem é em torno de 20 minutos. Colocamos uma música relaxante; o ambiente deve ser adequado com colchonetes, toalhas, etc.

Conclusão

Para concluir a oficina, cada pai ou mãe embala um pouco seu filho… e ficamos aberto para perguntas, dúvidas, etc. 

Cronograma

Dia 11 de maio
09h as 10h e 17h as 18h
Oficina 5 “Toque da Borboleta”, vivência entre pais e filhos.
Dia 18 de maio
09h as 10h e 17h as 18h
Oficina 5 “Toque da Borboleta”, vivência entre pais e filhos.
Dia 25 de maio
09h as 10h e 17h as 18h
Oficina 5 “Toque da Borboleta”, vivência entre pais e filhos.

Preços

Oficina 5 - Toque da Borboleta

R$ 50,00

Por participante (no caso o casal pagará apenas uma inscrição).

Ficha de pré-incrição:




11 de maio
18 de maio
25 de maio

09h as 10h
17h as 18h


Aguardamos vocês!

Simone Brichta

Simone Brichta

Diretora Pedagógica - A Ponte - Ateliê Educativo. Mestre em Educação Brasileira - UFC. Especialista em Metodologias do Ensino das Artes - UECE. Especialista em Gestão Escolar - UFC. Psicopedagoga - UFC. Pedagoga - PUCPR.

Leave a Reply

Contato
(41) 99275-8932
(41) 3043-0372
contato@apontee.com.br

Endereço
Rua Carlos Augusto Cornelsen, 252
Bom Retiro/Boa Vista.
Curitiba-PR. CEP 80520-560.

A Ponte - Ateliê Educativo ® 2018